Início / Arqueologia / ASSENTAMENTOS E CULTURA MATERIAL INDÍGENA ANTERIORES AO CONTATO
ASSENTAMENTOS E CULTURA MATERIAL INDÃGENA ANTERIORES AO CONTATO

ASSENTAMENTOS E CULTURA MATERIAL INDÍGENA ANTERIORES AO CONTATO

Autor: Márcia Angelina Alves

Editora: Habilis Press Editora

Categoria: Arqueologia

Por R$ 67,10 ou 2x de R$ 33,55Boleto à vista: R$ 60,39 (10% de desconto)
Favoritar Pedir de Presente
Dados pessoais
Dados do seu amigo

Estimativa de frete

( Não sei meu CEP )
  • Sinopse
  • Características

A presente tese de Livre-Docência resulta de uma prática arqueológica iniciada em 1980, com o desenvolvimento da primeira escavação por nós coordenada; a trajetória destes 29 anos possibilitou pela aplicação dos paradigmas do Particularismo Histórico-Culturalista de Franz Boas e da Arqueologia Etnográfica de Leroi-Gourhan, no vale do Paranaíba, região mesopotâmica do Triângulo Mineiro, estado de Minas Gerais, a identificação de dois horizontes culturais: agricultores ceramistas (maioria próxima ao Contato), centrados no vale do rio Quebra Anzol (principal coletor de águas do município de Perdizes); e, de caçadores-coletores, no curso médio do rio Paranaíba, concentrados no vale do rio Piedade (municípios de Centralina, Tupaciguara e Monte Alegre de Minas) com datações de 7.300 a 3680 anos antes do presente.
Estes horizontes foram possíveis de serem evidenciados pela aplicação de método de pesquisa intensiva de campo e do método indutivo na produção de conhecimento.
O locus de conhecimento é representado pelo universo empírico evidenciado nos solos arqueológicos procedentes dos estratos culturais, com escavações baseadas no conceito de fato social total e de abordagem sistêmica de Marcel Mauss (1950) da Escola Sociológica Francesa, na perspectiva da dinâmica sócio-­cultural de Georges Balandier (1976).
A Arqueologia regional do vale do rio Paranaíba, margem mineira, foi estruturada por estudos acadêmicos junto à Universidade de São Paulo na elaboração até o presente (outubro de 2009) de uma tese de Doutorado e quatro Mestrados.
A partir de 1992/93 iniciamos pesquisa arqueológica no município de Monte Alto, estado de São Paulo, no vale do rio Turvo, com escavação centrada no sítio de Água Limpa, pela sua peculiaridade na conservação de documentação faunística e de enterramentos humanos, os mais antigos datados em 1.300 anos antes do presente.
Os dados procedentes das escavações intensivas desenvolvidas no sítio de Água Limpa propiciaram a elaboração de dois Mestrados em Arqueologia, também junto à Universidade de São Paulo.
Neste sentido, esta tese tem como objetivo geral a apresentação da produção de conhecimentos das pesquisas de campo desenvolvidas no vale do rio Paranaíba – projeto Quebra-Anzol, MG – e no vale do rio Turvo, município de Monte Alto, Projeto Turvo, SP, centradas nos objetivos destes projetos e na elaboração de trabalhos acadêmicos.
As pesquisas desenvolvidas na região mesopotâmica de Minas Gerais, intitulada de Triângulo Mineiro, no final do século XIX, nos períodos colonial e imperial era denominada de “Sertão da Farinha Podre”, constituída pelos “Julgados de Desemboque” e “de Araxá” pertencentes à “Capitania de Goiaz”, a qual foi incorporada à “Capitania de Minas Gerais” em 1816, com o episódio do rapto de Anna Jacinta de São José (Dona Beja), de Antinha, distrito de Perdizes, e na região centro-norte do estado de São Paulo tiveram e têm a preocupação de destacar a ambientação regional e pontual dos espaços de assentamento pré-­histórico e pré-colonial, para verificar a possibilidade de captação de recursos minerais, vegetais e naturais para a sobrevivência dos grupos e transporte por terra (a pé) e por água (navegação em pirogas).
A preocupação em termos de resgate e preservação da memória cultural das populações dos paleoindígenas e indígenas representa a tônica dos dois projetos em questão, que nos levou à montagem dos Museus Municipais de Arqueologia de Perdizes (inaugurado em 1986, e reinaugurado em 2001) e de Monte Alto (inaugurado em 1999), com o preparo dos monitores em estágios na Universidade de São Paulo (Museu de Arqueologia e Etnologia e Museu de Zoologia) e Instituto Butantan.

ISBN: 978-85-60967-55-1

Comprimento: 23 cm

Largura: 16 cm

Peso: 0,536 kg

Número de páginas: 298