Início / Arqueologia / PRESERVAÇÃO, ARQUEOLOGIA E REPRESENTAÇÕES SOCIAIS
PRESERVAÃÃO, ARQUEOLOGIA E REPRESENTAÃÃES SOCIAIS

PRESERVAÇÃO, ARQUEOLOGIA E REPRESENTAÇÕES SOCIAIS

Autor: Rossano Lopes Bastos

Editora: Habilis Press Editora

Categoria: Arqueologia

Por R$ 40,26 ou 1x de R$ 40,26Boleto à vista: R$ 36,23 (10% de desconto)
Favoritar Pedir de Presente
Dados pessoais
Dados do seu amigo

Estimativa de frete

( Não sei meu CEP )
  • Sinopse
  • Características

Esta obra aborda o tema da preservação de sítios arqueológicos, especialmente, os localizados nos municípios de Imbituba, Laguna, Treze de Maio, Tubarão, Capivari de Baixo, Imaruí, Sangão e Jaguaruna, na região litorânea do Estado de Santa Catarina. Para tratar do tema da preservação, realiza uma análise da destruição ocorrida nessas áreas, afirmando que, desde o século XVI, existem relatos de destruição dos sambaquis locais (tipo de sítio arqueológico de grande expressividade numérica na região). O autor aponta as principais causas de destruição e demonstra a forma como a população local apreende os sambaquis, ou seja, quais são as representações que os grupos sociais produziram sobre esses sítios arqueológicos e como os têm utilizado. Partindo das representações, o autor procura elaborar projetos políticos eficazes que contribuam para a preservação do patrimônio arqueológico. O autor demonstra a posição oficial e legal que legitima a preservação do patrimônio cultural no Brasil, em especial o arqueológico, estabelecendo uma relação direta entre as leis de proteção ambiental e as leis que protegem o patrimônio arqueológico. Entretanto, seu objetivo é compreender como a comunidade aceita, rejeita ou se (re)apropria do mesmo. Quais critérios são utilizados para aplicar a um bem cultural o valor de patrimônio nacional? A quem é dado o poder simbólico de “nomear” parte do mundo social como patrimônio cultural? Como são recebidas as normas técnicas e jurídicas pelos grupos e pela comunidade, portadores de bens considerados patrimônio cultural? Cientes de que nem sempre as normas técnicas são seguidas, a questão é: de quais justificativas se servem os proprietários para subverter as normas estatais? Nessa perspectiva, o autor enfatiza a necessidade de uma proposta de preservação que seja integrada, interdisciplinar, transdisciplinar e interinstitucional, ancorada, obviamente, nas representações sociais construídos pela comunidade sobre o patrimônio arqueológico do Brasil.

ISBN: 978-85-60967-11-7

Comprimento: 21 cm

Largura: 14 cm

Peso: 0,223 kg

Número de páginas: 148